Prime Time

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Vitae sed pretium ullamcorper facilisis vitae. A eget egestas molestie mattis massa, lacus vel aliquam malesuada.

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda a importância das mudanças propostas pela Reforma Administrativa

    Brasil gasta 13,4% do PIB com pagamento de seus 11,4 milhões de funcionários públicos; PEC 32 propõe a redução dessa remuneração

    Da CNN

    Ouvir notícia

    O Brasil tem hoje 11,4 milhões de funcionários públicos, o que representa 12,5% de todos os trabalhadores do país. O custo da folha de pagamento do funcionalismo brasileiro ultrapassa 13,4% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

    Em comparação, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a despesa com funcionários públicos fica perto de 5% do PIB, no Japão, de 7,5%, na Alemanha, e de quase 9%, nos Estados Unidos.

    Está em tramitação no Congresso brasileiro a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32, a chamada Reforma Administrativa.

    Apresentada pelo governo federal em setembro de 2020, o texto já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, enviado à comissão especial e teve relatório final aprovado em 23 de setembro de 2021.

    Para prosseguir ao Senado, a PEC precisa do apoio de 60% do plenário da Câmara, em duas votações.

    Na versão atual do projeto, a Reforma se propõe a reduzir o gasto do Estado com os servidores públicos.

    Algumas das propostas são:

    • Limitação da estabilidade no emprego para algumas carreiras;
    • Redução da jornada de trabalho e da remuneração (limitadas a 25% e restrita a períodos de crise fiscal);

    As mudanças não seriam retroativas, tendo efeito apenas para futuros servidores públicos. Concursos públicos serão mantidos também, mas haverá a possibilidade de contratos temporários em situações de urgência, como, por exemplo, em caso de calamidade pública.

    “O que nós verificamos é que, se a gente pegar um intervalo de 10 anos, de 2022 a 2031, essas medidas poderiam levar a uma economia na despesa de salários de 130 bilhões de reais, aproximadamente”, disse o analista da Instituição Fiscal Independente (IFI), Alessandro Casalecchi.

    Ele complementa que esse dinheiro poderia ser utilizado para a ampliação do quadro de servidores, o que melhoraria a provisão de serviços públicos.

    Já o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) estima que seriam economizados R$ 200 bilhões pelo Estado em 10 anos. Em diferentes cenários, a economia poderia chegar a 320 milhões, de acordo com o Instituto.

    “O objetivo é obter maior eficiência na gestão dos recursos humanos do setor público e uma eficiência na provisão de serviço à sociedade. Então, a redução de despesas com o pessoal vem no bojo desse objetivo mais amplo”, afirmou o pesquisador do Ipea, Marco Antônio Cavalcanti.

    Apesar da urgência do governo federal em alterar o regime de trabalho dos servidores, o relator da Reforma, o deputado Arthur Maia (DEM-BA), acredita que as análises finais do projeto sejam feitas apenas na próxima legislatura – após as eleições do ano que vem.

    Mais Recentes da CNN