Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Grandes fundos voltam a negociar compra da Braskem

    Após quase fechar negócio com a rival holandesa LyondellBasell em 2019, companhia voltou à ideia original de encontrar um comprador no mercado privado

    Trabalhadores passam em frente a um tanque em uma usina da empresa petroquímica Braskem
    Trabalhadores passam em frente a um tanque em uma usina da empresa petroquímica Braskem Foto: REUTERS/Amanda Perobelli (30/01/2020)

    Fernanda Guimarães e Fernando Scheller, do Estadão Conteúdo

    Ouvir notícia

    Depois de muitas tentativas frustradas de encontrar um novo dono, a petroquímica Braskem está novamente no mercado, tentando achar um comprador para suas operações globais.

    Após quase fechar negócio com a rival holandesa LyondellBasell em 2019 e de garantir a saída de seus principais sócios – Novonor (ex-Odebrecht) e Petrobras – a partir de uma oferta de ações em Bolsa, a companhia voltou à ideia original de encontrar um comprador no mercado privado.

    E agora são os private equities (fundos que compram participações em empresas) o alvo preferencial.

    A percepção de fontes que acompanham o negócio é de que não haverá um grande número de interessados por conta do tamanho do cheque estimado pela empresa, de cerca de R$ 40 bilhões.

    Entre os nomes que estão analisando a transação estão fundos como Apollo, Starboard e Advent, apurou o Estadão. O banco Morgan Stanley está assessorando a operação.

    As conversas com os private equities já começaram e devem ser anunciadas em breve.

    Em 2019, a Odebrecht chegou perto de vender sua fatia na Braskem à LyondellBasell, mas a negociação foi suspensa devido ao aumento da insegurança jurídica em torno do grupo – um dos pivôs da Lava Jato – e outros imbróglios, como a dificuldade de se calcular os gastos com a reparação dos danos causados pela exploração de sal-gema pela petroquímica em Maceió.

    Problemas em série

    O processo de venda da Braskem é antigo, mas o formato da operação é complexo. Inicialmente, não estava claro se a Petrobras venderia sua fatia. E os potenciais interessados trouxeram a demanda de fatiamento da empresa.

    No entanto, no fim do ano passado – com o mercado de renda variável em efervescência -, Novonor e Petrobras acertaram que a venda ocorreria via ofertas de ações.

    Um sindicato de bancos foi contratado para estruturar a transação. A ideia seria fazer esse movimento aos poucos, por causa do tamanho da operação.

    Entre o planejamento e a execução da estratégia, no entanto, o mercado de ofertas se fechou – e as companhias foram obrigadas a voltar à estaca zero.

    Para a antiga Odebrecht, a venda é um passo para seguir com seu plano de recuperação judicial, que envolve dívida de R$ 100 bilhões.

    Apesar do fracasso da operação na B3, a Braskem quer ingressar no Novo Mercado – que tem mais exigências de governança corporativa – como forma de conquistar investidores.

    Do lado da Petrobras, a venda em Bolsa ou para fundos privados muito capitalizados significa dar continuidade de saída de seus ativos não estratégicos.

    Das ações com direito a voto na Braskem, a Novonor detém 50,1% e a Petrobras, 47%. O restante está nas mãos de minoritários.

    Procurado, o Starboard não quis comentar. Advent, Petrobras, Novonor e Braskem não retornaram os contatos.
    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Mais Recentes da CNN