Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ibovespa fecha em alta de olho em vacinação no Reino Unido; dólar sobe

    Moeda americana estabiliza preço frente ao real depois de cair mais de 2% na véspera

    <strong>Frasco de vacina contra Covid-19: Reino Unido aprova imunizante da Pfizer e acalma investidores</strong>
    Frasco de vacina contra Covid-19: Reino Unido aprova imunizante da Pfizer e acalma investidores Foto: Dado Ruvic/Reuters (3.nov.2020)

    Manuela Tecchio e Leonardo Guimarães, do CNN Brasil Business, em São Paulo

    Ouvir notícia

    Seguindo uma virada de otimismo lá fora, o Ibovespa trocou de sinal e ganhou fôlego para fechar o pregão desta quarta-feira (2) em alta de 0,43%, para 111.878,53 pontos. 

    Os investidores ficaram otimistas com o Reino Unido, que se tornou o primeiro país do mundo a aprovar uma a vacina contra o coronavírus, desenvolvida pela Pfizer e pela BioNTech. 

    As ações da Pfizer subiram 3,55% após o anúncio. Na Nasdaq, os papéis da Moderna tinham um dos melhores desempenhos do Nasdaq Composite, com avanço de 1,41%. 

    O dólar passou por um leve ajuste de alta nesta quarta-feira, depois da forte queda da véspera que derrubou a moeda a uma mínima em quatro meses, com investidores optando pausar as vendas num dia de hesitação também no exterior.

    O dólar à vista subiu 0,27%, a R$ 5,2422 na venda, depois de oscilar entre R$ 5,2563 (+0,54%) e R$ 5,2068 (-0,41%).

    Na terça, o dólar spot caiu 2,22%, a R$ 5,2282 na venda, menor patamar para um encerramento desde 31 de julho passado (R$ 5,2185).

    A alta acontece apesar da esperança de que os Estados Unidos devem laçar, em breve, um grande pacote de estímulo monetário. 

    Internamente, investidores da B3 ainda ficam de olho no posicionamento da Vale (VALE3). A estatal promove Vale Day 2020. No encontro virtual com investidores e analistas do mercado de capitais do mundo inteiro, a expectativa gira em torno da apresentação do plano estratégico para 2021 e de um balanço da reparação de Brumadinho.

    Leia também:
    A cotação do dólar pode chegar a R$ 7? Saiba a opinião dos especialistas
    Ibovespa perto dos 100 mil pontos: é bolha ou se sustenta?

    Destaques 

    As ações da Braskem (BRKM5) caíram 4,87% com a notícia de que sua operação no México será paralisada depois que o governo do país interrompeu de forma unilateral o transporte de gás natural, insumo essencial para a produção de polietileno.

    Apesar da queda do preço do petróleo Brent, os papéis da Petrobras acançaram depois de abrir o pregão em queda. As ações preferencias (PETR4) subiram 1,21%, enquanto as ordinárias (PETR3) avançavam 2,74%. 

    No setor, a PetroRio (PRIO3) recuaram 4,79% depois de um crescimento de mais de 60% em novembro. 

    O setor de mineração sofria um movimento de correção após altas expressivas na sessão de ontem. As ações da Vale (VALE3) caíram 1,74%. A queda, que chegou a ser de 3,8%, acontece depois que a empresa reduziu sua projeção para produção de minério de ferro em 2020. A estimativa passou de 310 a 330 milhões de toneladas para 300 a 305 milhões de toneladas. 

    As ações da Gerdau (GGBR4) caíram 1,51%, CSN (CSNA3) avançou 0,63%. Usiminas (USIM5) recuou 0,58%

    Depois que o Ministério da Educação desistiu da volta às aulas presenciais em janeiro, as ações ligadas ao setor subiam. Os papéis da Yduqs (YDUQ3) subiram 2,58% enquanto as ações da Cogna (COGN3) tiveram crescimento de 2,58%.

    Bolsas internacionais

    O índice S&P 500 avançou para uma máxima recorde de fechamento nesta quarta-feira, enquanto o Nasdaq recuou, à medida que investidores avaliaram o noticiário otimista sobre as vacinas e um potencial pacote de alívio fiscal contra o coronavírus num contexto de dados mais fracos de emprego privado nos Estados Unidos.

    O índice Dow Jones subiu 0,2%, a 29.884 pontos, enquanto o S&P 500 ganhou 0,179115%, a 3.669 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,05%, a 12.349 pontos.

    As ações europeias devolveram as perdas da sessão e encerraram estáveis nesta quarta-feira, com um aumento de mais de 1% entre as blue-chips de Londres depois que o Reino Unido tornou-se o primeiro país a aprovar a vacina contra a Covid-19 produzida pela Pfizer e BioNtech.

    O índice FTSE 100 de Londres subiu 1,23% e superou a maioria dos pares regionais, depois que o Reino Unido informou que a vacina será aplicada a partir da próxima semana, e à medida que a libra recuava diante da incerteza em torno do Brexit.

    O índice pan-europeu STOXX 600 encerrou estável, em baixa de 0,08%, com Rio Tinto, BHP Group e HSBC entre os papéis com maiores ganhos.

    Na China, as ações devolveram os ganhos do pregão para terminar praticamente estáveis nesta quarta-feira (2), com os ganhos no setor imobiliário sendo compensados por perdas em ações de saúde. 

    O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, teve estabilidade, enquanto o índice de Xangai teve variação negativa de 0,07%. 

    (Com Reuters)

    Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

    Mais Recentes da CNN