De olho no futuro, Xi Jinping está reescrevendo a história da China

Elite política chinesa se reunirá em Pequim, esta semana, para revisar resolução sobre "principais conquistas e experiências históricas" do Partido Comunista da desde sua fundação

O presidente chinês, Xi Jinping, aplaude em uma reunião que comemora o 110º aniversário da Revolução de Xinhai no Grande Salão do Povo, em Pequim
O presidente chinês, Xi Jinping, aplaude em uma reunião que comemora o 110º aniversário da Revolução de Xinhai no Grande Salão do Povo, em Pequim Carlos Garcia Rawlins - 9.out.2021/Reuters

Nectar GanSteve Georgeda CNN

Ouvir notícia

Determinado a buscar um terceiro mandato no poder, o presidente chinês, Xi Jinping, parece estar preocupado com o passado, não com o futuro.

Quando mais de 300 membros da elite política da China se reunirem em Pequim esta semana, sua principal tarefa será revisar um projeto de resolução sobre as “principais conquistas e experiências históricas” do Partido Comunista da China desde sua fundação, há 100 anos.

A agenda da reunião mais crucial do Comitê Central antes da remodelação da liderança – que ocorre duas vezes por década – no próximo outono é escolhida com cuidado e deliberadamente. Fala da importância que Xi atribui à história do partido e do seu lugar nele.

De certa forma, essa obsessão com a história pode ser vista como enraizada em uma tradição que remonta à China antiga.

Durante séculos, as cortes imperiais chinesas nomearam historiadores para documentar a ascensão de um imperador, o que muitas vezes envolvia compilar – e reescrever – a história de seu predecessor.

Para o Partido Comunista Chinês, a história – ou melhor, certas versões com curadoria dela – pode ser extremamente útil.

As alegadas “reivindicações históricas” da China sobre territórios e águas em disputa, por exemplo, foram usadas por Pequim para apoiar sua defesa da soberania contemporânea, enquanto a narrativa anexa ao chamado “século de humilhação” por potências estrangeiras – desde da Primeiro Guerra do Ópio em 1839 até a fundação da República Popular da China (RPC) em 1949 – tornou-se uma fonte central de legitimidade para o partido.

Aos olhos dos líderes do partido, perder o controle sobre essas narrativas pode trazer consequências desastrosas.

O colapso da União Soviética – um conto de advertência severo citado várias vezes por Xi – é em parte atribuído ao “niilismo histórico”, ou a rejeição da elite governante da herança soviética.

Como resultado, o Partido Comunista Chinês guarda vigilantemente sua própria história – retocando os capítulos mais sombrios de seu passado tumultuado e apagando episódios particularmente sensíveis da memória pública.

Mas a próxima “resolução da história” não se trata apenas de remodelar o passado do partido. Mais importante, é uma forma de Xi codificar sua autoridade e supremacia no presente – e projetar seu poder e influência duradouros no futuro.

líder comunista e presidente chinês Xi Jinping
O líder comunista e presidente chinês Xi Jinping participa da celebração do 100º aniversário de fundação do Partido Comunista Chinês, em 1º de julho de 2021, em Pequim, China / Getty Images

Desde a sua fundação, o partido emitiu apenas duas dessas resoluções, apresentadas pelos dois predecessores mais poderosos de Xi – Mao Zedong e Deng Xiaoping.

A resolução de Mao em 1945 o estabeleceu como a autoridade incontestável dentro do partido, após uma campanha de “retificação” de três anos que expurgou brutalmente seus oponentes políticos e ideológicos.

A resolução de Deng em 1981, entretanto, reconheceu os erros de Mao no lançamento da Revolução Cultural – uma campanha política que mergulhou o país em uma década de caos e tormento (embora concluísse que as contribuições de Mao para a revolução chinesa “superaram em muito” seus erros).

Mas, ao admitir e superar os erros do passado, Deng foi capaz de inaugurar uma nova era de reforma e abertura.

Ao emitir sua própria resolução, Xi se vê como responsável por assumir o manto dos legados marcantes de Mao e Deng, superando seus dois predecessores imediatos.

Nessa versão da história do partido, Mao levou a China a “se levantar” contra a intimidação de potências estrangeiras, Deng ajudou o povo chinês a “ficar rico” e Xi, agora, está liderando o país em um caminho triunfante para “se tornar forte”.

E para continuar a fazer isso, a lógica continua, ou seja, ele precisa permanecer no poder por pelo menos um terceiro mandato, para conduzir o país através do que ele chama de “janela de oportunidade” para a China alcançar – ou superar – o Ocidente em força nacional.

Por enquanto, poucos detalhes sobre a resolução são conhecidos – exceto a expectativa de que provavelmente será aprovada pelas elites do partido esta semana.

O título do documento indica um tom mais comemorativo e prospectivo do que as duas resoluções anteriores, que se concentraram em esclarecer os problemas ou erros do passado imediato.

Mas, independentemente dos detalhes mais delicados, o consenso entre os observadores políticos é que a resolução vai cimentar ainda mais a autoridade de Xi e colocá-lo firmemente no comando do partido em um futuro previsível.

“A função essencial de toda essa verborragia, não se engane, estará centrada na pessoa e no poder de Xi Jinping, definindo sua liderança como o caminho a seguir, com base em uma compreensão da história que define sua agenda central”, escreveu David Bandurski, diretor do China Media Project, da Universidade de Hong Kong.

Como diz a famosa citação de George Orwell em “1984”: “Quem controla o passado controla o futuro: quem controla o presente controla o passado.”

E para Xi, parece que ele está prestes a controlar todos os três, pelo menos por enquanto.

Xi busca consolidar ainda mais seu status de líder imponente no mesmo nível de Mao e Deng. Ele já conseguiu estabelecer sua própria teoria política homônima e tê-la inscrita na Constituição do partido, um privilégio anteriormente reservado apenas a Mao e Deng.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN