Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bolsonaro troca diretor-geral da Polícia Federal

    Demissão de Paulo Maiurino, indicado por Bolsonaro, pegou de surpresa até mesmo policiais que trabalhavam em cargos de alto escalão na PF e deputados aliados ao governo

    Vianey BentesTainá FarfanLarissa Rodriguesda CNN

    em Brasília

    Ouvir notícia

    O presidente Jair Bolsonaro (PL) trocou o comando da Polícia Federal (PF) nesta sexta-feira (25). O atual diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, foi dispensado do cargo hoje.

    Quem assume o cargo é Márcio Nunes de Oliveira, que atuava como superintendente regional da PF no Distrito Federal. Nunes de Oliveira ocupava o cargo desde maio de 2018, é formado em Direito, tem pós-graduação em Direito Penal e Processual Penal.

    Ele é irmão do coronel Marcos Antônio Nunes de Oliveira, ex-comandante da Polícia Militar do Distrito Federal. A demissão de Maiurino pegou de surpresa até mesmo policiais que trabalhavam em cargos de alto escalão na PF e deputados aliados ao governo Bolsonaro.

    Fontes do governo relataram à CNN que Maiurino pode ser deslocado para a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), do Ministério da Justiça. Ele foi o terceiro diretor-geral da PF no governo Jair Bolsonaro e foi uma escolha do presidente.

    Entre os destaques de sua carreira está o fato de ter participado da investigação do chamado “mensalão mineiro”, que apurou crimes de caixa 2 na campanha de reeleição do tucano Eduardo Azeredo (PSDB) ao governo de Minas Gerais.

    Pelo Twitter, o ministro da Justiça, Anderson Torres, confirmou que convidou Maiurino para assumir a função de secretário DA Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), subordinada à pasta.

    “Ao Dr Maiurino, meu reconhecimento pelo trabalho diário de reforçar o papel da Polícia Federal como instituição autônoma sim, mas com respeito a preceitos fundamentais da corporação, como hierarquia e disciplina. Sua experiência profissional será fundamental à frente da SENAD”, escreveu o ministro da Justiça.

     

    *Publicado por Rafaela Lara, da CNN, em São Paulo

    Mais Recentes da CNN